Populares entram em confronto com a Polícia Militar em Arinos

0
1403

 

A Polícia Militar de Arinos entrou em confronto com populares na noite do último domingo (15) após as comemorações dos resultados das Eleições Municipais de 2020. 

Alguns vídeos que circulam nas redes sociais mostram a ação da Polícia Militar, no vídeo é possível observar alguns populares arremessando garrafas de vidro contra os militares, que reagem e usam spray de pimenta, gás lacrimogênio e balas de borracha. 

O 28º Batalhão de Polícia Militar lançou uma nota de esclarecimento na tarde da última segunda-feira (16), explicando o fato ocorrido na cidade de Arinos. 

Na nota, a Polícia Militar informa que por volta das 23h40, os militares realizavam o policiamento na Avenida Aristóteles Fernandes Valadares, no Bairro Planalto, próximo ao Posto de Combustíveis. No local acontecia uma comemoração devido aos resultados das eleições. 

Horas antes, o local da comemoração havia sido isolado e a Polícia Militar manteve o policiamento para assegurar a segurança das pessoas que participavam do ato comemorativo. 

A polícia informou que por volta das 23h foi determinado o desligamento do som automotivo e a desocupação da via pública, devido a perturbação das pessoas que residem naquela localidade.

Após este comando, alguns populares, inclusive pessoas conhecidas no meio policial, começaram a vaiar a ação da Polícia Militar, xingar e arremessar garrafas de vidro nos militares. Após a ação dos populares, a Polícia Militar informou que houve a necessidade de usar a força para dispersar a aglomeração no local.

Na ação, os militares utilizaram spray de pimenta para conter os agressores e dispersa-los da área. Com a resistência dos populares, os militares efetuaram disparos com elastômero, popularmente conhecido como bala de borracha, além de utilizar gás lacrimogêneo. Na nota, a Polícia Militar informou que os policiais não utilizaram armas de fogo para conter os populares. 

O 28º Batalhão de Polícia Militar está analisando os vídeos que circulam nas redes sociais, para apurar o caso e tomar um posicionamento frente a situação. Seis pessoas foram presas pelos crimes de ameaça, desacato e resistência. 

Deixe uma resposta