Trilhas Urucuianas – Parque Estadual de Serra das Araras e sumidouro

0
1757

A 40ª Expedição do Trilhas Urucuianas foi gravada no município de Chapada Gaúcha nos dias 18 e 19 de agosto. Nesta expedição, visitamos as belas e peculiares paisagens do Circuito Grande Sertão Veredas imortalizadas na obra de João Guimarães Rosa.

Parque Estadual de Serra das Araras 

Durante nossa visita no Parque Estadual, a nossa equipe fez a Trilha Ninho da Arara Vermelha, esta trilha tem 1.500 metros de extensão e leva ao topo da Serra das Araras pelo lado norte. Durante o percurso, é possível avistar o vale do rio Pardo, a serra da Mariana, a serra de São Pedro, a vereda Riacho Fundo e a vereda Vermelha.

Sumidouro do Rio Pardo 

Uma das principais atrações do programa foi a visita ao lendário Sumidouro do Rio Pardo, o local é conhecido por ter uma ponte natural sobre o leito do rio, a formação rochosa possui aproximadamente 100 metros.

O local é pouco conhecido mas, dono de lendas e mistérios narrados por moradores antigos da região. O local fica no limite entre os municípios mineiros de Chapada Gaúcha e Januária.

Antônio Dó

Nesta expedição visitamos também o túmulo do infame e temido do sertão urucuiano, Antônio Dó. A sepultura simbólica desta figura ilustre está localizada a 10 km do distrito de Serra das Araras e foi construída pelo governo de Chapada Gaúcha, afim de preservar a cultura local.

Nós tempos de coronelismo no sertão das gerais, entre seus desafetos, mais de 100 policiais foram mortos por Antônio Dó. Segundo a crença popular, ele tinha o corpo fechado para bala, mas foi morto no ano de 1929, aos 70 anos, por seu próprio jagunço, após ter seu segredo revelado pela própria mulher que se engraçou pelo seu algoz.

 

Conta a lenda que seu escudo de sorte era seu próprio paletó, no dia de sua morte levantou cedo sem paletó e foi lavar o rosto na Vereda do Logradouro onde foi morto a pauladas. A história de Antônio Dó foi registrada no livro Serrano de Pilão Arcado escrito por Petrônio Braz.

FOTOS: Denis Pimentel/Leonardo Scherer/Lívia Alves

Deixe uma resposta